Há uma grande quantidade de gestores de entidades dos 2º e 3º setores que, apesar de terem uma escrituração contábil, não recebem balancetes mensais e os balanços anuais são entregues apenas em Março ou Abril do ano seguinte. E sem compreender as informações, se restringem a assinar e guardá-los para atender ao pedido de terceiros, como um gerente de banco, uma licitação, um doador ou para o imposto de renda.

Um colega contador alegou ter equipe menor e ganhar mais porque atende apenas empresas de lucro presumido que “não precisam” de balanço para fins fiscais, e justificou que não adianta fazer porque não entendem!

O balanço patrimonial, a demonstração de resultados, e as demais peças contábeis são como uma fotografia da empresa, ou seja, mostram sua situação econômica e financeira, por isso que órgãos reguladores e de fiscalização as exigem, como CVM, BACEN, MP, SUSEP, PREVI, ANS e outros.

Em 50 anos de atividades já nos deparamos com situações como essas:

– o diretor, diante do nosso parecer, citando que as demonstrações não representavam a real situação econômica e financeira da entidade porque utilizam o regime de caixa, e não o de competência. Alegou desconhecer e espantado pelo fato do contador e o gerente declararem utilizar o regime de competência.

– o diretor informou que enviava ao contador notas fiscais emitidas, notas fiscais de compras e o extrato bancário, mas não enviava os controles do que tinha “a receber” ou “a pagar”. Desta forma, o contador contabilizava as notas fiscais enviadas como “recebidas e pagas” na conta caixa, o que resultava em um saldo altíssimo, que não existia.

– e situações em que não constavam no balanço mesas, cadeiras, móveis e computadores com a alegação de serem sobras de projetos que foram doadas.

É importante que os gestores tenham entendimento do balanço da empresa e não apenas aquele apresentado no final do ano. Deve exigir de seu contador balancetes mensais explicativos (entregas até o dia 20 do mês seguinte) para analisar a situação econômica e financeira da entidade. Caso contrário, é indicado contratar um profissional para analisar e explicar tais informações.

Você saberia responder essas perguntas:

– Conhece o ciclo operacional e as vantagens de alterá-lo?

– Qual a importância dos seus custos fixos e variáveis? E o custo variável unitário? E a receita unitária?

– Sabe calcular seu ponto de equilíbrio? Por unidade e por valor?

– Qual é a taxa de retorno do capital próprio?

– Qual é o grau de alavancagem financeira?

– Mantém controle de estoque e conhece o grau de encalhe?

Enfim, inúmeras outras questões podem ser obtidas de seus controles.

Gostaria de conhecer a situação da sua empresa ou obter respostas para suas dúvidas, entre em contato conosco. Fazemos avaliação gratuita

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *