Todas as organizações, públicas ou privadas, com e sem fins lucrativos, inclusive condomínios estão sujeitos a riscos de quaisquer naturezas, como:

  • Fraudes;
  • Riscos econômicos;
  • Desastres;
  • Perigos tecnológicos;
  • Riscos regulatórios;
  • Falta de suprimentos.

Infelizmente, uma parte notável dessa ameaça vem das mesmas pessoas que foram contratadas para realizar suas operações, trata-se da fraude ocupacional, ou seja, utilização de uma ação fraudulenta para enriquecimento pessoal por meio do uso indevido deliberado ou da má aplicação dos recursos ou bens da organização empregadora.

Este artigo decorre de nossos 50 anos de auditoria contábil e a análise do Relatório de 2016 da ACFE (Association of Certified Fraud Examiners) com 90 páginas, instituição de reputação mundial, numa pesquisa, desenvolvida em 114 países e 2114 empresas, apresentando seus diagnósticos, tipos mais frequentes, perfil dos fraudadores e principais planos de ações recomendados. Resumimos neste artigo, as informações necessárias para você ter acesso aos fatores críticos e como se proteger destes crimes.

A fraude é um problema global, ocorre em toda empresa, em qualquer país do mundo. Cabe aos proprietários, conselhos e executivos implementar uma boa governança corporativa.

Não esqueçamos o caso Enron, do setor elétrico americano, empresa admirada e sétima maior dos EUA, faliu, levando junto os fundos de pensão de seus funcionários e de outros investidores da mesma categoria, com um rombo mínimo de US$ 1,5 bilhão e dívida de mais de US$ 13 bilhões. Durante anos a cúpula administrativa maquiava as demonstrações contábeis, ocultando os prejuízos. Deu certo até ser descoberto.

Assim veremos:

  • Resumir as opiniões dos peritos sobre a percentagem de receitas organizacionais perdidas por fraude todos os anos;
  • Categorizar as formas como a fraude ocupacional ocorre;
  • Analisar as características dos indivíduos que cometeram fraude ocupacional;
  • Examinar as características das organizações vítimas de fraude ocupacional;
  • Apresentar as melhores práticas de plano de ações para reduzir a incidência de fraudes.

Pela ACFE, estima-se que uma empresa típica, tem 5% do seu faturamento desviado com as fraudes. Outro informe da revista Exame, mais recente, cita que pela consultoria de gestão Hands On Solutions, a perda pode chegar a 8%. Se sua empresa fatura R$10 milhões, tem o valor projetado de fraude de R$800.000,00.

A perda média de um caso de fraude ocupacional é de US$150.000,00. Mas segundo a ACFE, empresas sem normas de controle de fraudes, o montante chega a dobrar. Não deixe de contratar a Binah Auditores para proteger sua empresa e em especial dar maior transparência às suas demonstrações contábeis.

Quando os proprietários ou executivos cometem fraude, o dano médio é mais de 10 vezes do que os cometidos por funcionários. Das três maiores categorias de fraude (corrupção, roubo de ativos e fraude nas DC), a última sempre é a de maior valor. Podemos afirmar sem a menor dúvida que a falta de controles internos, a substituição de alguns controles existentes e a falta de acompanhamento pelos gestores soma mais de 60% das causas de uma fraude.

A idade média dos fraudadores, responsáveis pelos maiores números de fraudes é de 31 e 45 anos. Este grupo corresponde a 55%. Se considerar entre 31 e 50 anos o número chega a 70%, sendo que o nível educacional do fraudador com curso completo universitário é de 47,3%, sendo 70% do sexo masculino.

Abaixo uma relação das principais ações destinadas a minimizar fraudes:

  1. Liste as atividades / processos críticos no “caminho do dinheiro” (entradas e saídas). Bons exemplos são as áreas de compras, produção, financeiro (pagamentos e recebimentos), folha de pagamento, fretes, estoque e venda de restos/sucata;
  2. Escreva como é feito o controle desses processos atualmente e os possíveis risco de fraude;
  3. Desenvolva um plano de ação para os processos mais expostos ao risco, nos quais são críticos para o sucesso de sua empresa;
  4. Crie procedimentos de auditorias surpresas, e faça disto uma rotina;
  5. Treine os colaboradores e divulgue a cultura de compliance;
  6. Crie um número de telefone e um endereço de e-mail para receber denúncias. Distribua cartazes, em pontos estratégicos de sua empresa, com a solicitação para que todo e qualquer colaborador, direto ou indireto, fornecedores e clientes, usem estes canais para informar qualquer tipo de irregularidade que estejam presenciando em sua empresa.
  7. Estabeleça no seu calendário anual de encontros com executivos, pelo menos duas reuniões para tratar deste tema. Como Gerenciamento de Riscos e Gerenciamento de Fraudes.
  8. Instale as melhores tecnologias de acompanhamento e controle. Câmeras de filmagem instaladas em posições estratégicas (e protegidas) são ferramentas importantes.

NESTE MOMENTO ALGUÉM ESTA COMETENDO ALGUMA FRAUDE, ROUBANDO SUA EMPRESA E SEU SUCESSO!!

Um dos melhores métodos para detectar fraudes é a denúncia. Pode ser obtida de várias maneiras quer utilizando um telefone ou e-mail. Em muitas empresas é dada uma bonificação de um salário para o denunciante, desde que comprovado, depois é seguida pelas atividades da auditoria interna e externa.

Poderemos oferecer, sem quaisquer compromissos, propostas para execução de serviços de auditoria, bastando nos enviar um seu balancete analítico, como também efetuar um diagnóstico ocupacional totalmente gracioso aos 10 primeiros que nos contatarem, podendo ser através deste site em contatos, ou pelos e-mails:

fiore@binahauditores.com.br e binah.rj@binahauditores.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *