Muitos ainda têm dúvidas de como será o futuro depois da pandemia e se as mudanças efetuadas são transitórias ou permanentes.

Nota-se a tendência de reduzir os trabalhos físicos nos escritórios e incrementar em Home Office, apesar dos problemas de comunicação, receio da empresa e dos investimentos em aquisição de novos equipamentos, como notebook, por exemplo, adaptação da família para essa nova realidade e a necessidade de maior espaço físico nas residências.

Com as mudanças ocorridas, está se observando um decréscimo na procura de imóveis comerciais, não obstante que antes da pandemia já se constatava a existência de muitas salas vagas. Assim, nota-se nos grandes centros comerciais a manutenção de muitos prédios vazios, e segundo perspectiva da The Economist, esperam redução de 10% na procura para esta finalidade, o que na realidade brasileira nos parece pouco, porém, com um exame sistemático, veremos a necessidade de que tais edifícios sejam destinados à novos usos, substituindo por apartamentos, salas de reunião e outros.

Neste contexto, temos conhecimento de grandes empresas estarem estimulando a volta ao trabalho presencial, como a agência de notícias Blumberg, em contrapartida com a rede social Pinterest, que está pagando elevada multa no cancelamento de contrato de locação para reduzir os espaços físicos que ocupam. As opiniões divergem muito, principalmente em empresas de tecnologia, por exemplo: A Netflix é contra, outras são mais flexíveis, como o Twitter. Ou seja, ainda está em debate qual a melhor forma de trabalho.

Vale ressaltar que aqui não estamos falando das indústrias que precisam ter em suas plantas um maquinário pesado e específico para elaboração de seus produtos.

O Home Office exige o uso de novos hardwares e eliminação de outros, por isso, empresas com grandes centros de dados têm se mostrado menos eficientes à medida que se desenvolve o Home Office.

Com tais alterações, até as leis trabalhistas terão de se adaptar às novas formas de trabalho, para bem caracterizar se o trabalho remoto é de um empregado ou de um autônomo, ou seja, um freelancer. Definindo entre outros, como caracterizar as horas trabalhadas, sua vigilância e contabilização, num mundo novo, onde ninguém observa fisicamente o outro. Como as empresas poderão vigiar os trabalhadores em casa?

A grande vantagem que traz o Home Office é a não necessidade diária de deslocamento casa → trabalho, por ser uma das atividades mais desagradáveis. Isto poderá aumentar a felicidade do trabalhador em casa, mas ainda é desconhecido qual é o mais eficiente – trabalhar em casa ou no escritório.

Por sua vez, quem tem filhos, têm sua carga dobrada, buscando conciliar o trabalho remoto, com as tarefas domésticas, enquanto cuidam de seus filhos, que com a pandemia não estão indo à escola.

Por exemplo, nosso técnico na manutenção de computadores, com o Team Viewer, não precisa vir aos nossos escritórios para reparar os defeitos dos computadores, porém temos de ficar ao lado enquanto faz os ajustes, pelo fato de sempre precisar algo, aliado a isso, nossos CPUs estão empoeirados e com risco de queimar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *